Aumento extraordinário de pensões em 2020

É já esta semana, até dia 8 de maio, que os pensionistas do Regime Geral da Segurança Social vão receber um aumento extraordinário de pensões como aconteceu em 2017, 2018 e 2019.

Os pensionistas que recebem pela Caixa Geral de Aposentações irão receber esse aumento extraordinário dia 19 de maio.

Os pensionistas que recebem um montante de pensões inferior a 658,22 € vão receber um aumento extraordinário a partir de maio do corrente ano para que obtenham um montante total de 10,00 € ou de 6,00 € de aumento em relação ao que recebiam em dezembro de 2019. Recebem um aumento extraordinário para completar 10,00 € os pensionistas que tiveram as pensões congeladas durante o período da Troika (2011 a 2015) e para completar 6,00 € os que tiveram aumentos durante aquele período.

O MURPI considera positivo que, à semelhança de 2017, 2018 e 2019, este ano também exista um aumento extraordinário para recuperar o poder de compra das pensões que estiveram congeladas durante o período da Troika, já que o mecanismo legal de atualização das pensões aplicada em janeiro do corrente ano não repõe o poder de compra perdido em 2019 e muito menos o que foi perdido durante os anos em que as pensões estiveram congeladas.

De facto, em janeiro de 2020, a maioria das pensões foram aumentadas no máximo em 0,7% ou seja em valores inferiores a 3 euros, com muitas delas a terem aumentos que não chegaram a 2 euros e nenhuma pensão foi aumentada em mais de 6,32 euros, e muitas não tiveram qualquer aumento.

Sendo positivo este aumento extraordinário, o MURPI tinha colocado no seu caderno reivindicativo que deveria haver um aumento de todas as pensões com a garantia de um aumento mínimo de 10 euros a partir de janeiro de 2020 e uma alteração no mecanismo legal de atualização das pensões por forma a repor o seu poder de compra independentemente do seu valor com uma atenção especial às pensões mais baixas para reduzir o risco de pobreza entre os reformados e aposentados.

O MURPI continuará a sua intervenção e luta visando a concretização da recuperação do poder de compra dos pensionistas e a melhoria dos serviços públicos, nomeadamente do SNS, reivindicações que são justas e necessárias no respeito pelo direito a envelhecer com direitos.