MURPI preocupado com resultados do serviço «Pensão na Hora»

A MONTANHA PARIU UM RATO

A propósito do serviço «Pensão na Hora», anunciado em fevereiro de 2021, que mais não é do que uma manobra publicitária do Governo PS, a Confederação Nacional de Reformados, Pensionistas e Idosos MURPI esteve reunido com a vice presidente do Instituto de Segurança Social e com o dire tor do Centro Nacional de Pensões.

Nessas reuniões, referimos que, com as falhas de períodos contributivos, registados no sistema informático da Segurança Social, aquela medida teria um impacto reduzido na diminuição dos tempos de espera para recebimento da primeira pensão. Afirmámos, também, que a solução passa pela urgente informatização dos períodos contributivos da Segurança Social que ainda estão em microfilme.

Nesse sentido, as recentes notícias vindas a público confirmam em absoluto as preocupações do MURPI, tendo em conta que já requereram o serviço «Pensão na Hora» cerca de 10 mil pessoas, mas foram atribuídas pensões automáticas a apenas 1400 pessoas, devido a falhas no cumprimento dos critérios.

Segundo a mesma informação, os 10 mil requerentes representam 27 por cento do total de requerimentos apresentados no período em causa.

Para o MURPI, só com a reorganização e o reforço urgente de quadros técnicos é possível dar resposta atempada às necessidades verificada s e reclamadas há anos pela Confederação, expressando as exigências de centenas de candidatos à passa gem à reforma.

Por tudo isto, a Direção Nacional do MURPI reclama urgentemente medidas que reponham o normal funcionamento dos serviços da Segurança Social e respeitem os direitos dos seus utentes.