Visita aos lares de 3.ª idade – Medida insuficiente e tardia

A Confederação Nacional de Reformados, Pensionistas e Idosos MURPI saúda a decisão da Direção Geral da Saúde(DGS) em permitir a visita aos residentes nos Lares da 3ª Idade (Estruturas Residenciais para Idosos, ERI) que se encontravam privados de contatos com seus familiares desde o decreto do estado de emergência.

Tal situação justificada pela necessidade de proteção das pessoas idosas do contágio pelo novo coronavírus causou simultaneamente situações de isolamento que condicionaram estados de angústia, ansiedade, solidão e depressão e ainda o agravamento de doenças mentais já existentes.

O MURPI alertou para esta situação a 30 de março, sugerindo às entidades competentes que atenuassem as condições de confinamento e as substituissem por programas que valorizassem o entretenimento cultural.

As atuais normas emanadas pela DGS para além de tardias peca pela insuficiência ao limitar a uma visita semanal e apenas um familiar por um período não superior a 90 minutos.

É importante assegurar as condições estabelecidas pelas normas da DGS, necessárias em cada casa, para o aumento da frequência de visitas semanais por cada idoso, por entendermos que a residência em lares deve
constituir um prolongamento das condições familiares previamente existentes.

A Confederação Nacional de Reformados, Pensionistas e Idosos MURPI preocupa-se com a humanização e o respeito pelas pessoas idosas residentes em lares e apela a alterações do regime das visitas dos familiares e amigos.