42.º Aniversário do MURPI

DECLARAÇÃO

A 27 de maio de 1978, por decisão de centenas de delegados e de mais de um milhar de reformados vindos de todo o País fundaram a Confederação Nacional de Reformados, Pensionistas e Idosos – MURPI sob a consigna “Só o Portugal de Abril respeitará o Outono da Vida”e elegeram os seus dirigentes e o programa de ação de defesa dos direitos dos reformados.

O MURPI, movimento pioneiro dos reformados em Portugal, nunca deixou de lutar pela defesa dos direitos dos reformados, pensionistas e idosos consignados na Constituição da República Portuguesa.

Quando surgiu a alvorada do 25 de Abril, a situação social das pessoas idosas, ao fim de longos anos de vida de trabalho sem direitos, estavam entregues à caridade pública e ao amparo dos seus filhos, sem nenhuma proteção social.

A luta contra a pobreza e as desigualdades e injustiças sociais marcaram a adesão pela conquista de direitos, à reforma, às prestações sociais, à habitação, à saúde, ao lazer e à cultura.

O caminho foi longo e a luta pela conquista de direitos conheceu avanços, resistência e recuos, mas o ímpeto de prosseguir e enriquecer este património no presente e para o futuro de gerações vindouras dá-nos o ânimo e a confiança necessários para a continuação desta luta.

A reforma, uma pensão justa e digna, a conquista do 13º mês e do subsídio de férias constituem os eixos fundamentais da nossa luta para a conquista de melhores condições de vida e o direito a envelhecer com dignidade.

Defendemos uma Segurança Social pública, universal e solidária.

O direito à saúde foi consagrado com a criação do Serviço Nacional de Saúde universal geral e gratuito, que ajudou a aumentar a esperança média de vida e a sua qualidade. Exigimos que a defesa do SNS seja concretizada no imediato com o reforço em meios profissionais, financeiros e de equipamentos a todos os níveis.


Lutámos e conquistámos o direito a ser reconhecido como Parceiro Social.

Hoje atravessamos um período da vida nacional extremamente preocupante provocado pela pandemia, de consequências sanitárias, económicas e sociais muito graves, que levaram a que a realização do 25º Piquenicão Nacional fosse transferido para o próximo ano com a mesma alegria, determinação e confiança, valorizando o movimento cultural das Associações de Reformados.

Com os olhos postos na defesa das medidas do nosso Caderno Reivindicativo para 2020 e na exigência da reabertura das Associações de Reformados celebramos esta data com confiança e determinação porque “Só o Portugal de Abril respeitará o Outono da vida”.