Em Maio continuar a luta, defender a saúde e os direitos

Os reformados, pensionistas e idosos, com a sua organização, a Confederação Nacional de Reformados, Pensionistas e Idosos – MURPI, afirmam a sua solidariedade com as lutas dos trabalhadores na defesa firme dos seus direitos, dando voz à indignação e às reivindicações, na denúncia dos abusos e atropelos que o patronato impõe, a pretexto da pandemia, procurando aumentar a exploração dos trabalhadores.

Neste momento difícil em que milhares de portugueses e portuguesas se defrontam com as consequências da pandemia COVID-19, o MURPI expressa o seu reconhecimento pela ação desenvolvida por milhares de trabalhadores do setor da saúde e de todos os serviços públicos e sociais que asseguram os serviços de saúde e a produção de bens e serviços essenciais.

Manifesta também a sua solidariedade combativa com todos os trabalhadores que são afetados por respostas políticas desajustadas que provocam o desemprego, a redução e o corte de rendimentos e de direitos.

Neste 1.º de Maio, os reformados e pensionistas, condicionados na sua participação de rua, reafirmam a sua vontade de cumprir Abril e de continuar a luta pela defesa do Serviço Nacional de Saúde e da Segurança Social pública, universal e solidária.

O MURPI saúda calorosamente a CGTP-IN, a central sindical dos trabalhadores portugueses e o baluarte da defesa dos seus direitos laborais, sociais e sindicais por melhores condições de vida e de trabalho.

O MURPI saúda o 1.º de Maio, no momento em que se comemora os 150 anos da consagração do Dia dos Trabalhadores, o dia da emancipação de todos os trabalhadores.