Caderno reivindicativo para 2022 – MURPI

A pandemia provocou profundas alterações na sociedade portuguesa e nós reformados, pensionistas e idosos fomos fortemente penalizados porque a doença COVID-19 alterou a vida a muitos de nós, o confinamento privou-nos do convívio familiar e social, ampliou o isolamento social e a solidão, gerou tristeza, medo e insegurança, tornando menos visíveis as dificuldades do dia-a-dia e acentuando as desigualdades sociais existentes entre reformados, pensionistas e idosos quanto às condições de habitação, nível de rendimento e acesso a bens e serviços essenciais.

Ficou evidente que, na tormenta provocada pela pandemia da Covid-19, não estamos «todos no mesmo barco», sendo fundamental que sejam retiradas as ilações deste período excecional que se tem vivido.

A violência sobre os idosos é uma consequência da sua dependência social e económica, fenómeno silencioso e silenciado, que se acentuou neste período, sendo urgente que os órgãos do poder tomem medidas para a sua prevenção, promovendo o direito à autonomia dos mesmos.

O confinamento teve muitos impactos, nalguns casos irreversíveis na saúde mental e física de cada um de nós, agravando ainda mais as condições de saúde existentes nas residências para idosos, onde se verificou elevada taxa de mortalidade, tendo ficado sujeitos a um severo regime de clausura.

Durante todo o período de confinamento, e em alguns casos para lá dele, foi exercida sobre os mais velhos uma exigência de recolhimento que veio a prejudicar seriamente a saúde daqueles que o sofreram. Torna-se necessário esclarecer e ajudar para que todos os direitos e liberdades sejam integralmente respeitados e protegidos, de modo a permitir o livre exercício autónomo das suas decisões.

Os reformados, pensionistas e idosos têm vindo a ver a resolução dos seus problemas adiada desde que se instalou a pandemia da Covid-19 em março de 2020, nomeadamente nos Centros de Dia, apesar das múltiplas intervenções dos dirigentes da Confederação do MURPI.

Esta pandemia teve grandes consequências sociais, sanitárias e económicas com grande repercussão na vida de milhares de reformados pensionistas e idosos, agravadas pela falta de condições nos Lares e pelo encerramento dos Centros de Dia e de convívio, de que resultaram muitos danos colaterais indesejáveis que foram verificados na gestão de medidas aplicadas à população idosa.

A pandemia pôs a descoberto muitas carências existentes, tanto nos Lares como nos Centros de Dia, que foram obrigados a encerrar, o que mereceu do MURPI a denúncia e a proposta de medidas, no imediato, que visaram atenuar os efeitos na saúde mental das pessoas idosas e a exigência de um plano estratégico nacional de proteção às pessoas dos lares para idosos.

No Caderno Reivindicativo do MURPI para 2022 assumimos que os direitos dos reformados, pensionistas e idosos não podem ficar confinados nem suspensos e exigimos medidas políticas que mitiguem os impactos negativos da situação excecional vivida por este grupo social.

Agora que mais de 98% das pessoas idosas se encontram vacinadas é tempo de devolver a alegria e o prazer de viver o tempo da reforma, liberto do isolamento e do medo, promovendo o direito a viver, com segurança e confiança, retomando rotinas diárias, o convívio familiar e social e a fruição saudável dos tempos livres.

É fundamental dar um combate sem tréguas às desigualdades sociais e à pobreza entre idosos, cumprir os direitos dos reformados, pensionistas e idosos, fazendo avançar o direito de envelhecer com qualidade de vida e dignidade.

É preciso retomar a vida associativa assegurando o normal funcionamento das associações de reformados, pensionistas e idosos e dos seus grupos culturais. Igualmente retomar o funcionamento das universidades seniores e garantir a todos os reformados, pensionistas e idosos o direito à fruição cultural e desportiva. É fundamental vencer os obstáculos, valorizar os laços de solidariedade e exigir avanços na defesa dos direitos dos reformados, pensionistas e idosos.

Todas as medidas contidas neste CADERNO REIVINDICATIVO para 2022 abarcam parte das necessidades reconhecidas na vida dos reformados, pensionistas e idosos que reputamos como essenciais e urgentes na sua concretização para devolver a esperança, a confiança e a segurança no presente e no futuro que queremos justo e solidário.